O novo mercado dos negócios na era da computação quântica

As organizações devem se concentrar nas vantagens econômicas que os computadores quânticos podem oferecer, não apenas em sua capacidade de realizar cálculos que seus equivalentes clássicos não conseguem.

Grande parte da comunidade de pesquisa quântica está focada em demonstrar a vantagem quântica — que um computador quântico pode realizar um cálculo impossível para um computador eletrônico clássico. Mas, ao focar nisso, correm o risco de negligenciar bons casos de negócios para a tecnologia, argumentam os autores.

As empresas devem, em vez disso, buscar oportunidades de vantagem econômica quântica — quando um computador quântico fornece uma solução comercialmente relevante mais rapidamente do que um computador clássico poderia, ou quando um computador quântico oferece soluções viáveis que diferem das fornecidas por um computador clássico. Problemas de otimização e aqueles que envolvem trade-offs complexos são áreas particularmente promissoras.

Continuar lendo O novo mercado dos negócios na era da computação quântica

Modelos preditivos podem perder o foco. Aqui está como mantê-los no caminho certo.

A inércia algorítmica pode resultar em orientações que levam as empresas ao erro. Isso ocorre quando os algoritmos não são atualizados para levar em conta as mudanças no ambiente, então eles fornecem previsões de baixa qualidade.

Modelos de IA projetados para contabilizar dinamicamente novas circunstâncias nem sempre o fazem de forma eficaz. Esse cenário, chamado inércia algorítmica, pode resultar em orientações inadequadas e decisões falhas.

Os autores exploraram as causas e consequências da inércia algorítmica investigando a agência de classificação de crédito Moody’s e seu uso de modelos algorítmicos para classificar títulos lastreados em hipotecas nos anos que antecederam a crise financeira de 2008.

Eles descobriram que os fatores mais significativos que contribuem para a inércia algorítmica são as suposições enterradas, remodelagem superficial, simulação do futuro desconhecido e compartimentalização especializada.

Expor dados e suposições e redesenhar periodicamente rotinas algorítmicas são duas práticas-chave para evitar essa inércia.  Continuar lendo Modelos preditivos podem perder o foco. Aqui está como mantê-los no caminho certo.

Inteligência de riscos e a empresa resiliente

Adotar uma abordagem mais lógica para a gestão de riscos pode ajudar os líderes a sustentar a geração de valor em meio à disrupção e à incerteza.

Construir a resiliência de grandes empresas complexas é crucial no mundo interconectado de hoje. A inteligência de risco – a capacidade afiada de interpretar rigorosamente os riscos e as consequências ou oportunidades que eles representam para uma empresa – apoia a resiliência organizacional ajudando os líderes a identificar e gerenciar uma ampla gama de ameaças potenciais ao sistema de troca de valor de sua empresa, tanto ao longo do tempo quanto em contextos empresariais em mudança.  Continuar lendo Inteligência de riscos e a empresa resiliente

Equilibrando tradição valorizada com inovação

Quando seu produto é um clássico adorado, como você o atualiza para atrair novos clientes?

Mais cedo ou mais tarde, a maioria das empresas de sucesso enfrenta o desafio de atualizar um produto antigo e querido. Não fazer mudanças coloca em risco a relevância para novos clientes. Mudar demais pode alienar seus clientes mais fiéis.  Continuar lendo Equilibrando tradição valorizada com inovação

Como as firmas de serviços profissionais evitaram a disrupção

Adotar uma mentalidade dupla de paranoia e pragmatismo pode manter as empresas já estabelecidas (incumbentes) ágeis em meio a dinâmicas de mercado em mudança.  Nesse artigo vamos conhecer algumas firmas de serviços profissionais com longevidade e quais lições elas ensinam para outras empresas  que estão tentando sobreviver às disrupções em mercados turbulentos.  Continuar lendo Como as firmas de serviços profissionais evitaram a disrupção

Pode o atrito melhorar as experiências dos seus clientes?

Quando sites de e-commerce tornam a compra de produtos muito rápida e fácil, com apenas um botão para COMPRAR, eles removem os atritos para a conclusão da compra, e essa facilitação (remoção do atrito) pode resultar na perda da oportunidade de aprofundar o relacionamento com os clientes.  Continuar lendo Pode o atrito melhorar as experiências dos seus clientes?

Os programas de desenvolvimento de liderança estão falhando conosco. Como podemos consertar?

Programas de desenvolvimento executivo são grandes negócios, mas muitos deles falham em produzir resultados significativos. Nesse artigo nós aprenderemos como ser um aluno melhor e mais perspicaz.

Um programa eficaz de desenvolvimento de liderança terá metas específicas, usará o currículo e métodos de ensino mais apropriados, e produzirá resultados diretamente relevantes para as necessidades organizacionais.

Programas de desenvolvimento de liderança são caros, mas frequentemente falham em produzir resultados significativos. Para que isso mude, as empresas que adquirem esses programas precisarão se envolver mais desde o início. Isso significa fazer perguntas mais relevantes aos fornecedores e exigir respostas melhores. Também significa articular suas necessidades específicas de desenvolvimento e como estão vinculadas às prioridades estratégicas de suas organizações de forma mais clara.  Continuar lendo Os programas de desenvolvimento de liderança estão falhando conosco. Como podemos consertar?

Os CEOs podem fazer (ou desfazer) uma reestruturação organizacional

O envolvimento total do CEO é necessário quando uma empresa está passando por mudanças, mas muitos CEOs têm dificuldade em manter o controle.

A reestruturação contínua da organização é uma realidade da vida corporativa. Na maioria dos casos, existem boas razões comerciais para considerar uma reestruturação, apesar do significativo tempo adicional, recursos e energia emocional que tende a consumir. Durante o processo, os CEOs mais eficazes têm um envolvimento quase contínuo. Líderes que perdem o controle tendem a ter uma das quatro fraquezas: falta de comprometimento, excessiva complacência, indecisão ou incapacidade. Os autores apresentam um framework para ajudar os líderes a primeiro reconhecer e depois superar suas vulnerabilidades.  Continuar lendo Os CEOs podem fazer (ou desfazer) uma reestruturação organizacional

Os grandes modelos de linguagem realmente mudarão a forma como o trabalho é realizado?

Mesmo quando as organizações adotam LLMs cada vez mais poderosos, elas terão dificuldade em abandonar sua dependência dos humanos.

Os modelos de linguagem grandes (LLMs, na sigla em inglês de Large Language Models) são de fato uma inovação que está mudando o paradigma da ciência de dados. Eles ampliam as capacidades dos modelos de aprendizado de máquina para gerar texto e imagens relevantes em resposta a uma ampla gama de estímulos qualitativos. Embora essas ferramentas sejam caras e difíceis de construir, uma multidão de usuários pode usá-las rapidamente e de forma econômica para realizar algumas das tarefas baseadas em linguagem que só os humanos poderiam fazer antes.  Continuar lendo Os grandes modelos de linguagem realmente mudarão a forma como o trabalho é realizado?

Evite os perigos do capital de risco corporativo

Grandes empresas e capital de risco podem ser parceiros complicados. Veja como fazer o empreendimento corporativo dar certo.

Sobre a pesquisa exibida nesse artigo:

Os autores se propuseram a investigar os fatores de sucesso ou fracasso das iniciativas de capital de risco corporativo (CVC, do inglês Corporate Venture Capital). Eles entrevistaram líderes de 164 unidades de CVC e buscaram detalhes sobre como suas organizações são estruturadas, financiadas e governadas; suas relações com as empresas-mãe; como as decisões são tomadas; e como os membros das equipes de CVC são remunerados. Eles também coletaram e analisaram dados sobre os investimentos desses CVCs, seus co-investidores e os antecedentes dos membros de suas equipes de investimento.

Continuar lendo Evite os perigos do capital de risco corporativo