Destaques do periódico HBR – Harvard Business Review de janeiro – fevereiro de 2024

Liderando no fluxo do trabalho

Os programas de desenvolvimento de liderança tradicionalmente oferecem treinamento extensivo sobre como influenciar e orientar pessoas, dar feedback, construir confiança e mais. Uma nova abordagem, que se baseia nas faculdades que todos já possuem, pode aprimorar muito esses esforços. O modelo de liderança no fluxo concentra-se em ativar seu núcleo interno – o seu melhor eu – ao acessar cinco energias: propósito, sabedoria, crescimento, amor e autorrealização. Isso pode ser feito no momento através de uma ou mais das 25 ações que levam apenas segundos para serem realizadas, como apelar para o propósito e valores, criar o quadro correto, afiliar-se e despertar alegria. Agora, a base de um curso popular na Escola de Negócios da Universidade de Columbia, a liderança no fluxo pode ser usada por pessoas em todos os níveis para desbloquear o desempenho máximo.

Os líderes devem reagir

Para ter sucesso, os CEOs devem articular uma visão cativante, alinhar as pessoas em torno dela e motivá-las a executá-la. Mas há uma coisa que pode definir o sucesso ou o fracasso deles: como eles respondem em tempo real a eventos imprevistos.

Em média, lidar com questões inesperadas – que variam desde flutuações no preço das ações, até falhas de produto recém-descobertas, até acidentes e crises importantes – consome 36% do tempo de um CEO. Essa é uma proporção significativa, e nem todos esses problemas merecem a atenção de um líder. Para ajudar os CEOs a entender quais deles eles realmente precisam focar, Nohria, o ex-diretor da Harvard Business School, criou um framework que classifica os eventos em quatro categorias – ruído normal, chamados claros, avisos sussurrantes e canções de alarme – e oferece orientação sobre como os líderes devem lidar com cada tipo.

Por que a liderança em tempo real é tão difícil

Você às vezes se sente preso como líder, enquanto em outros momentos tudo parece fácil? A explicação muitas vezes reside no seu próprio estado psicológico. Quando você está no ritmo, você se expressa naturalmente, se aventura além do familiar para buscar objetivos ambiciosos, incorpora seus valores mais elevados e abraça a aprendizagem — e pode realizar coisas extraordinárias. Mas quatro obstáculos comuns podem impedi-lo de entrar nesse estado: as falsas percepções de que não existem alternativas, de que não há esperança, de que não há tempo e de que não há necessidade de liderança. No entanto, essas percepções podem ser superadas se você fizer as perguntas certas e seguir algumas práticas destinadas a abrir sua mente para um mundo de possibilidades.

Frase de destaque no índice dessa edição:

Eu sabia que fazíamos ótimos vinhos. O desafio era fazer as pessoas experimentá-los.

Frase destacada no artigo:

O CEO do Grupo Gérard Bertrand fala sobre a evolução de uma empresa familiar de vinhos para se tornar uma marca global

Em 1987, quando o autor tinha apenas 22 anos, herdou um vinhedo de 60 hectares de seu pai, que morreu em um acidente de carro. No início, ele tentou conciliar sua vida como jogador profissional de rugby com sua responsabilidade com o negócio familiar de vinhos, mas em poucos anos deixou o esporte para se dedicar a criar um novo paradigma orgânico para a indústria do vinho no sul da França – a maior e mais diversa região vinícola do mundo.

Desde 1993, ele adquiriu várias outras propriedades, totalizando 17. A empresa agora conta com 400 funcionários, 400 fornecedores independentes e 12 unidades de negócios ao redor do mundo. Gérard Bertrand é um rótulo de vinho reconhecido internacionalmente, com vendas anuais de cerca de € 180 milhões. Quando Bertrand iniciou sua jornada, os vinhos de sua região natal do Languedoc eram considerados no máximo como vinho de mesa. Hoje, seus vinhos são reconhecidos em todo o mundo por sua qualidade, competindo com os melhores vinhos de Bordeaux e Borgonha.

Neste artigo, ele explica como colocar a natureza – tanto humana quanto ambiental – no centro de suas tomadas de decisão contribuiu para o sucesso da empresa e continua a impulsionar sua estratégia.

Leia esse artigo na íntegra e descubra o contexto completo do artigo que destacou essa frase do CEO

A maneira certa de construir sua marca

Há mais de um século, o comerciante John Wanamaker reclamava com ironia: “Metade do dinheiro que gasto em publicidade é desperdiçado. O problema é que não sei qual metade”. Neste artigo, os autores apresentam uma solução para o famoso dilema de Wanamaker. Com base em um grande banco de dados fornecido pelo Conselho Mundial de Pesquisa Publicitária para identificar empiricamente quais tipos de publicidade de marca são mais eficazes — tanto para atrair novos clientes quanto para convertê-los em consumidores fiéis (repetidores), eles mostram que a chave para a construção bem-sucedida da marca é oferecer uma promessa memorável, valiosa e entregável ao cliente. Além disso, uma promessa ao cliente bem projetada não apenas se traduz diretamente em vendas, mas também fornece um framework eficaz em torno do qual organizar as atividades de uma empresa.

Liderando no fluxo do trabalho

Resumo do artigo:

A oportunidade

O desenvolvimento de liderança convencional depende muito de estudos demorados e treinamento. Mas uma nova abordagem, que se baseia em faculdades que todos já possuem, pode acelerar e aprimorar esses esforços.

O que envolve

O modelo de liderança em fluxo centra-se em ativar seu núcleo interno, acessando cinco tipos de energia: propósito, sabedoria, crescimento, amor e autorrealização.

Como capturá-la

Usando uma ou mais das 25 ações simples, os líderes podem adaptar suas respostas a situações em evolução e desbloquear o desempenho máximo em tempo real, tanto em si mesmos quanto nas pessoas com quem trabalham. Continuar lendo Liderando no fluxo do trabalho

Líderes devem reagir

Conheça um framework para responder a eventos imprevistos

Durante meus muitos anos como professor de liderança, me perguntaram uma questão mais vezes do que consigo contar: A liderança realmente pode ser ensinada? Normalmente, respondo com uma resposta bem ensaiada:

Assim como a habilidade atlética ou o talento musical, a capacidade inata das pessoas para a liderança varia. Mas, assim como bons treinadores e professores podem ajudar atletas e músicos a realizarem seu pleno potencial, bons educadores podem ajudar as pessoas a se tornarem melhores líderes.

Continuar lendo Líderes devem reagir

Por que a liderança em tempo real é tão difícil

Quatro obstáculos e como superá-los

Às vezes, quando lideramos, tudo se encaixa. Iniciamos mudanças suavemente, com confiança e compaixão. Outras pessoas respondem de forma construtiva aos nossos esforços, aceitando e construindo sobre as nossas mudanças, mesmo que essas mudanças sejam difíceis e complexas. Grandes feitos são realizados. Continuar lendo Por que a liderança em tempo real é tão difícil

Destaques do periódico HBR – Harvard Business Review de novembro – dezembro de 2023

Contar histórias que impulsionam mudanças audaciosas

Ao lidar com problemas organizacionais urgentes, os líderes geralmente se esforçam para identificar causas subjacentes, aproveitar uma ampla gama de conhecimentos e experimentar soluções. Mas uma vez que tenham traçado um plano, há um passo crucial a ser dado: criar uma história tão cativante que consiga direcionar a energia de suas organizações para a mudança.

Baseando-se em décadas de experiência ajudando executivos sêniores a liderar transformações em larga escala, a professora de Harvard, Frei, e o coach de liderança Morriss apresentam uma maneira eficaz de abordar esse desafio. Eles delineiam quatro etapas-chave:

  1. Compreender sua história tão bem que você possa descrevê-la em termos simples;
  2. honrar o passado;
  3. articular um mandato persuasivo para a mudança; e
  4. apresentar um caminho rigoroso e otimista para o futuro.

Em seguida, você precisa envolver outras pessoas em sua história. As emoções podem dar vida a ela e ajudar a impulsionar o comprometimento dos funcionários com a mudança. Você também deve promover sua narrativa de forma agressiva. Compartilhe-a sempre que surgir a oportunidade — em discursos, entrevistas, reuniões de town hall, conversas individuais — e incorpore-a em diferentes formatos, desde vídeos até imagens e guias.

Leia esse artigo na íntegra e descubra o contexto completo do artigo que foi destaque na capa dessa edição da HBR

Frase de destaque no índice dessa edição:

Cada líder deve ser um fincador de bandeiras e um construtor de estradas.

Frase destacada no artigo:

CEO da Adobe fala sobre fazer grandes apostas em inovação

Em 1998, Shantanu Narayen ingressou na Adobe como vice-presidente e gerente geral do grupo de tecnologia de engenharia. Pouco depois, ele também assumiu a engenharia de layout e, no ano seguinte, a empresa lançou o InDesign, a poderosa plataforma de publicação que ofuscou o Quark. Em 2007, Narayen foi nomeado CEO. Dois anos depois, a empresa expandiu-se da criação de conteúdo para a gestão, medição e monetização de conteúdo com a aquisição da Omniture, uma empresa de software de análise da web com clientes, incluindo Ford, TD Ameritrade e Walmart.

“Qualquer empresa de tecnologia bem-sucedida precisa olhar ao redor e fazer algumas assertivas-chave sobre como o mundo vai mudar”, escreve Narayen. A mudança da Adobe para o Creative Cloud foi uma resposta a isso. E a empresa investiu em IA e IA generativa por mais de uma década, resultando na introdução do Adobe Sensei (“que ajuda os clientes a melhorar a precisão, facilidade e velocidade com que fazem seu trabalho”) e do Firefly (“um copiloto que aumenta em vez de substituir a ingenuidade humana”).

“Os líderes devem estar insatisfeitos com o status quo”, diz Narayen. “Se você estabelecer expectativas irrazoáveis, as pessoas vão surpreendê-lo com sua engenhosidade.”

Leia esse artigo na íntegra e descubra o contexto completo do artigo que destacou essa frase do CEO

Contar histórias que impulsionam mudanças audaciosas

O desafio

Antes de resolver um problema organizacional urgente, é necessário dar um passo crucial: criar uma história clara e envolvente que canalize a energia de todos e a direcione para a mudança.

Como superá-lo

Primeiro, compreenda sua história tão profundamente que possa descrevê-la de forma simples. Em seguida, honre o passado de sua organização, articule um mandato para a mudança e descreva um caminho rigoroso e otimista para o futuro.

O retorno

Dependendo da medida utilizada, até 70% dos esforços de mudança organizacional falham. Esses passos aumentarão consideravelmente suas chances de desafiar as probabilidades.  Continuar lendo Contar histórias que impulsionam mudanças audaciosas

CEO da Adobe fala sobre fazer grandes apostas em inovação

Quando os fundadores da Adobe, o falecido John Warnock e Chuck Geschke, me chamaram para a sala de reuniões da empresa em 2007 e me ofereceram o cargo de CEO, senti um imenso sentimento de gratidão e admiração. Ser convidado para liderar uma organização que teve um impacto tão grande – desde o surgimento da editoração eletrônica com o PostScript até documentos digitais com o PDF e imagens com o Photoshop – foi a oportunidade da minha vida. A Adobe era um farol de inovação, havia sido lucrativa desde o primeiro ano e estava a caminho de anunciar uma receita de US$ 3,16 bilhões ainda naquele ano.  Continuar lendo CEO da Adobe fala sobre fazer grandes apostas em inovação

O CEO da ADM fala sobre expandir seu foco de commodities para consumidores

Quando assumi o cargo de CEO na ADMArcher Daniels Midland, em 2014, tinha uma visão clara para o futuro de nossa empresa de produtos e serviços agrícolas centenária. Nos três anos anteriores, como COO da ADM, trabalhei com o restante da equipe de liderança para simplificar e reorganizar nossas divisões e reorientar todos para investimentos inteligentes e inovação. Tornamo-nos muito mais estratégicos e disciplinados em relação a capital, custos e caixa, e melhoramos significativamente nossa posição financeira. Agora era hora de direcionar toda a nossa atenção para outro “C”: os consumidores. Continuar lendo O CEO da ADM fala sobre expandir seu foco de commodities para consumidores

Destaques do periódico HBR – Harvard Business Review de julho – agosto de 2023

Como a Inteligência Artificial poderá aprimorar a nossa criatividade

Há uma tremenda apreensão sobre o potencial da IA generativa – tecnologias que podem criar novo conteúdo, como texto, imagens e vídeo – para substituir pessoas em muitos empregos. Mas uma das maiores oportunidades que a IA generativa oferece é aprimorar a criatividade humana e superar os desafios da democratização da inovação.

Nas últimas duas décadas, as empresas têm utilizado o crowdsourcing e competições de ideias para envolver pessoas externas no processo de inovação. Mas muitos negócios têm lutado para capitalizar essas contribuições. Eles têm enfrentado uma maneira eficiente de avaliar as ideias, por exemplo, ou de sintetizar diferentes ideias.

A IA generativa pode ajudar a superar esses desafios, afirmam os autores. Ela pode complementar a criatividade dos funcionários e clientes e ajudá-los a produzir e identificar ideias novas – e melhorar a qualidade das ideias brutas.

Especificamente, as empresas podem usar a IA generativa para promover o pensamento divergente, desafiar o viés de especialização, auxiliar na avaliação de ideias, apoiar o aprimoramento de ideias e facilitar a colaboração entre os usuários.

Leia esse artigo na íntegra e descubra o contexto completo do artigo que foi destaque na capa dessa edição da HBR

Frase de destaque no índice dessa edição:

Nós conseguimos apoiar nossa equipe durante um período assustador e perigoso.

Frase destacada no artigo:

Um dos fundadores da Ralabs fala sobre administrar uma Startup Ucraniana durante o primeiro ano de guerra

No início de janeiro de 2022, enquanto a especulação sobre um iminente ataque russo à Ucrânia circulava, os líderes da Ralabs, uma empresa de desenvolvimento de software sediada em Lviv, começaram a trabalhar em um plano de continuidade de negócios, ou BCP. Eles delinearam vários cenários, cada um representando um nível diferente de ação russa e resposta ucraniana. Eles monitoraram as notícias para entender melhor os desafios que a empresa e seus funcionários poderiam enfrentar e conversaram incessantemente com os clientes para avaliar o nervosismo deles em fazer negócios na Ucrânia.

Em 24 de fevereiro de 2022, a Rússia invadiu a Ucrânia, e o planejamento antecipado da empresa deu resultado. Seus líderes já haviam realocado alguns funcionários, alocado orçamento para atividades relacionadas ao BCP, desenvolvido políticas de RH para uma variedade de situações de emergência e conduzido uma série de programas educacionais para ajudar os funcionários a se sentirem preparados, em tópicos que variavam desde o gerenciamento em uma crise até serem convocados para o exército.

Como resultado, apenas algumas semanas após a invasão, a Ralabs voltou a 90% de desempenho típico, o que tem mais ou menos continuado ou melhorado ao longo do último ano. As lições aprendidas – em torno da importância do planejamento de cenários, flexibilidade, tomada de decisão decisiva e gerenciamento de clientes e funcionários através da incerteza – podem ser úteis tanto para outras organizações ucranianas durante esta guerra quanto para líderes ao redor do mundo enfrentando a navegação de qualquer crise.

Leia esse artigo na íntegra e descubra o contexto completo do artigo que destacou essa frase do CTO

Um dos fundadores da Ralabs fala sobre administrar uma Startup Ucraniana durante o primeiro ano de guerra

Os primeiros sinais de alerta de guerra com a Rússia surgiram em janeiro de 2022. A ameaça de invasão começou a dominar o ciclo de notícias, e minha equipe e eu começamos a monitorar diariamente o crescente número de tropas russas na fronteira. Minha namorada e eu estávamos visitando a família dela no sul da Ucrânia para as festas de fim de ano e já estávamos pensando em cenários de emergência: garantindo que nosso carro sempre tivesse o tanque de gasolina cheio, fazendo planos para o pior.  Continuar lendo Um dos fundadores da Ralabs fala sobre administrar uma Startup Ucraniana durante o primeiro ano de guerra