5 benefícios que voce terá ao trocar o carro pela bicicleta

Trocar o carro pela bicicleta é uma decisão inteligente? Você já colocou no papel os prós e contras?

Cada vez mais pessoas, em todo o mundo, acreditam que sim. Usar a bike (ou bicicleta) em substituição ao carro no dia a dia é a melhor escolha! E o número crescente de ciclovias nas grandes cidades confirma isso.

No Brasil, muita gente também está optando por trocar o carro pela bicicleta, dando adeus àquela ilusão do conforto proporcionado pelo carro.

Afinal, não existe conforto que resista às horas perdidas em engarrafamentos durante anos. Se você é mais uma dessas pessoas que cogita trocar o carro pela bike, precisa ler esse artigo!

galera pedalando

AS DIFERENÇAS ENTRE USAR UM CARRO OU UMA BICICLETA

Na teoria, o carro vai te levar mais rápido e com mais conforto para qualquer lugar. Ok, mas e na prática? Se levarmos em conta aspectos da vida real ao fazer essa comparação, as variáveis mudam.

Em relação ao tempo gasto, o trânsito caótico das cidades desfaz completamente o mito da “velocidade” dos carros. A prova disso são os desafios de multimodal realizados em centros urbanos, onde as bicicletas têm vencido, ano após ano, a velocidade média de deslocamento dos carros.

A bike vence fazendo em menos tempo o mesmo caminho, pois consegue se desvencilhar facilmente dos carros, motos e ônibus.

Mas o tempo ganho é apenas um dos benefícios proporcionados a quem opta trocar o carro pela bike. Além disso, ao trocar o carro pela bike, você tem mais tempo para apreciar a paisagem.

1 – QUALIDADE DE VIDA

Pense no tempo que você leva para chegar ao trabalho parado no congestionamento de carros. Esse tempo provavelmente será igual ou menor se você for de bike.

Com a diferença de que, pedalando, é muito mais fácil observar o seu entorno, ouvir os pássaros e ser sociável quando você não está enclausurado no ar condicionado de um carro.

Enquanto a maioria das pessoas está presa no congestionamento, a bicicleta pode realmente transformar seus trajetos diários em uma terapia.

Numerosos estudos têm mostrado que o exercício diário pode reduzir o estresse, aliviar os sintomas de depressão, melhorar os padrões de sono de indivíduos com insônia e reduzir a ansiedade.

Fora a clara vantagem de chegar em muitos lugares mais rápido que seus amigos de carro, presos no congestionamento.

2 – SAÚDE

Andar de bicicleta ajuda você a queimar tantas calorias quanto uma academia, com poucos impactos negativos sobre as articulações.

Pedalar melhora a aptidão cardiovascular, aeróbica, reduz a pressão arterial, aumenta a energia, desenvolve os músculos e melhora a coordenação.

Aliás, quem pedala todos os dias têm ganhos consideráveis para a saúde.

Estudos comprovam que há a associação entre exercícios físicos diários e a melhora na capacidade cognitiva, na memória, aprendizagem, e desempenho geral do cérebro.

3 – ECONOMIA DE DINHEIRO

Ir ao trabalho de bicicleta é uma excelente maneira de fazer economia e estimular seu organismo. O preço da gasolina acima dos R$ 7,00 / litro já é suficiente para ilustrar os custos de um carro. Mas o combustível é apenas uma das despesas de quem tem um automóvel.

Junte-se a ele a troca de óleo, pastilhas de freio, suspensões, rodas, líquido de arrefecimento, limpeza do sistema de ar condicionado, eventuais batidas e problemas no motor, seguro, IPVA, DPVAT, renovação da carteira.

Ainda, note que os custos de manutenção de um carro vão aumentando consideravelmente a cada ano que passa. E tem ainda os custos com estacionamento, seguro, lavagens…

    • E os custos de aquisição e manutenção da bicicleta?

É possível comprar excelentes bikes por menos de R$3.000, e sua depreciação é bem menor ao longo do tempo. E a manutenção? Se você gastar R$500 por ano na manutenção, é muito.

4 – MENOS POLUIÇÃO NO PLANETA

Os transportes, tanto públicos quanto privados, são responsáveis por quase 30% das emissões de gases de efeito estufa.

Um motorista sozinho em um carro popular libera cerca de 170 g de CO2 por km.

Se você andar 2000 km com um carro, terá liberado 340 quilos de CO2 na atmosfera.

Ao invés de ficar reclamando da qualidade do ar na cidade, talvez seja hora de fazer sua parte para reduzir a poluição e ainda dar o exemplo!

5 – PRATICIDADE

É inconveniente e improdutivo gastar 10 minutos à procura de estacionamento toda manhã, não é?

Analogamente, quando você vai de bicicleta ao trabalho, encontrar estacionamento é tão fácil quanto avistar o poste mais próximo.

Mas se você não se sente confortável em deixar a bike na rua, a maioria dos prédios comerciais não cobra estacionamento para bikes de funcionários.

E, ainda assim, aqueles que cobram, o fazem por um valor baixo, quase simbólico.

E existe também a possibilidade de usar uma bike dobrável.

Nesse caso, você pode simplesmente dobrar e leva-la consigo para o trabalho.

Mesmo em dias mais quentes, muitos ambientes de trabalho já têm pelo menos um vestiário, onde você pode tomar banho e se refrescar antes do trabalho.

Fonte: Entretrilhas.com.br


Agradecimento às marcas apoiadoras que praticam e incentivam o ciclismo urbano:

NewCont    4garden

Dicas de segurança para pedalar nas cidades

cinco dicas pedalar seguranca

O dia mundial da bicicleta é comemorado no dia 3 de junho.

Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) reuniu cinco dicas simples, mas muito importantes para garantir a segurança dos ciclistas no trânsito.

Sempre que o ciclista estiver nas ruas, deve ficar atento e ser cuidadoso para evitar acidentes.

Confira abaixo as recomendações:

1) Usar equipamentos para manter a segurança: capacete, luvas, roupas claras.

2) Manter a bicicleta revisada: os freios e os pneus devem estar em bom estado.

3) Ficar atento à abertura de porta de carros estacionados;

4) Se for pedalar à noite, preferir vias bem iluminadas.

5) Pedalar no sentido dos carros.


As cinco dicas acima foram compiladas pelo Denatran, porém alguns especialistas em ciclismo urbano nos alertam que existem mais dicas importantes sobre segurança no trânsito para bicicletas. Vejamos abaixo a lista com 15 dias, que foi publicada pela Abraciclo e pela Bike Anjo:

1 – Embora não seja obrigatório por lei, é recomendável o uso de capacete. Numa queda, a possibilidade de lesão na cabeça é alta. Da mesma forma, o uso de luvas também é indicado, porque, em caso de queda, instintivamente, a tendência é levar as mãos ao solo.

2 – Utilize roupas claras e, à noite, é importante usar jaqueta ou colete refletivo. Iluminação (na bike e no capacete) e espelhos também são muito úteis.

3 – Não pedale com fones de ouvido ou usando celular. Eles podem distrair e impedir que se perceba alguma situação de risco, como a aproximação de um pedestre ou a buzina de um carro.

4 – Mantenha os pneus calibrados. Com pressão baixa, o esforço aumenta muito, acelerando o cansaço.

5 – Verifique os freios. O ideal é que não haja curso excessivo dos manetes para frenagens mais rápidas e seguras. Se necessário, faça a regulagem ou troque as pastilhas.

6 – Mantenha coroas, catracas e corrente sempre lubrificadas para facilitar as trocas de marcha. Realize as reduções sempre antes de iniciar as subidas para evitar cansaço e lesões nos joelhos.

7 – Procure traçar, antecipadamente, a rota a ser seguida, e dê preferência a roteiros servidos por ciclovias (feitas, exclusivamente, para bikes) ou ciclofaixas (caminhos pintados no chão, ao lado das vias destinadas a carros e demais veículos). Na falta delas, procure se colocar na faixa à direita da via, mas não muito perto da guia. Ocupe um terço da faixa ou a metade, em vias mais tranquilas.

8 – Se possível, evite rotas em que é permitido circular a mais de 60 km/h. Dê preferência a caminhos secundários paralelos, mais calmos.

9 – Se estiver no mesmo espaço que os demais veículos, mantenha sempre a cabeça erguida e busque estabelecer contato visual com os demais motoristas quando for sinalizar suas intenções. Ao mudar de direção, estenda o braço para onde pretende ir (direita ou esquerda) e movimente-o para cima e para baixo para indicar se vai parar ou reduzir a velocidade.

10 – Evite fazer ultrapassagens com o trânsito em movimento. Espere para fazer esse tipo de manobra (como entrar no “corredor”) apenas com os veículos parados. Para isso, fique atento às motos. No trânsito, os veículos menores têm preferência sobre os maiores. Assim, caminhões e ônibus devem “cuidar” dos automóveis, que devem dar prioridade às motos, e estas às bicicletas. E todos devem dar prioridade aos pedestres. Mas isso nem sempre é respeitado. Então, mantenha-se alerta.

11 – Não ande muito perto da lateral de carros, caminhões e ônibus. Eles têm pontos cegos, que podem ocultar a bike no campo de visão do motorista.

12 – Mantenha distância de carros estacionados. Alguém pode abrir a porta repentinamente.

13 – Respeite o semáforo.

14 – Se for necessário andar sobre calçadas movimentadas, desça da bike e empurre. Apenas pedale nesses locais se a movimentação de pessoas for pequena.

15 – Nunca passe por um ônibus parado em um ponto pelo lado de descida dos passageiros. E, mesmo pelo outro lado, fique atento porque alguém pode estar atravessando pela frente do coletivo.


Agradecimento às marcas apoiadoras que praticam e incentivam o ciclismo urbano:

NewCont  4garden

Para ser mais produtivo, liberte-se da tecnologia. Sério, da tecnologia?

Em meio ao caos, oportunidades também podem ser encontradas, pois a maior produtividade depende de escolhas, e uma das mais importantes tem a ver com o uso da tecnologia. E é preciso tomar decisões muito específicas em relação ao uso da tecnologia para alavancar a produtividade.

Continuar lendo Para ser mais produtivo, liberte-se da tecnologia. Sério, da tecnologia?

Benefícios do Learning Management System (LMS) para as empresas

Um Sistema de Gestão (ou Gerenciamento) da Aprendizagem (do inglês: Learning Management System, LMS, também chamado de plataforma e-learning ou ainda sistema de gerenciamento de cursos, SGC) disponibiliza uma série de recursos, síncronos e assíncronos, que dão suporte ao processo de aprendizagem, permitindo seu planejamento, implementação e avaliação.

Continuar lendo Benefícios do Learning Management System (LMS) para as empresas

As novas fronteiras das universidades corporativas

O auge das universidades corporativas, que surgiram nos Estados Unidos nas décadas de 1950 e 1960 e logo se expandiram pelo mundo, já passou? Alguns afirmam que sim e colocam sua eficácia em dúvida. No entanto, elas não deixam de ser exemplos valiosos da evolução –que parece sem volta– das empresas também em instituições de ensino.

O artigo “Is the traditional corporate university dead?”, publicado na Forbes.com em setembro de 2011, Karl Moore se pergunta se as universidades corporativas são um anacronismo neste novo mundo globalizado, onde tanto a tecnologia como os modelos de negócio sofrem transformações constantes. Vale a pena refletir a respeito do formato, mas, ao menos, sua razão de ser original continua absolutamente atual e, na verdade, cada vez mais relevante: é o reconhecimento de grandes líderes empresariais de que capacitar o pessoal é fundamental para a sobrevivência da companhia e importante demais para ser delegado a uma organização externa.

Continuar lendo As novas fronteiras das universidades corporativas